Alfândega e política industrial

| 2 Comentários

Antes de escrever esse post, tenho que fazer duas advertências: uma, a de pedir escusas se o post parece algo tipo mais-um-post-de-emigrado-metido-a-besta-porque-mora-no-exterior. Não é. Tenho consciência que morar fora tem qualidades e defeitos, que o Brasil nem é tão ruim quanto achamos, nem tão bom quanto gostaríamos. Sei que muita gente que emigra ou não consegue se adaptar fora e acha que tudo no Brasil é melhor, ou começa a desancar tudo o que é brasileiro, como se fôssemos o pior dos povos. Eu (acho) que estou no meio termo nesses extremos.

A outra advertência é que não entendo nada de economia, sempre achei que o Brasil deveria defender sua indústria, mas começo a perder a paciência com nosso empresariado. Não sei se abrir a economia totalmente é o ideal, mas também não estou seguro que o nosso protecionismo está nos levando a algum lugar.

Explico, agora, o motivo do post e das advertências: no Brasil, eu costumava vez por outra comprar alguma coisa que precisava no eBay. Não só por causa do preço, mas porque em Conquista simplesmente era difícil achar coisas como uma lente para uma máquina fotográfica, ou um adaptador qualquer para o Mac. Infelizmente, no Brasil, algumas coisas só se conseguem via eBay ou via “Feiras do Paraguai”. Normalmente, as encomendas pelos Correios demoravam de 20 a 30 dias (com alguma sorte, eu recebia algo em 15 dias), e tinha que ir retirar no correio e pagar aquele imposto maravilhoso que às vezes era 60%, às vezes era 60% + ICMS.

Aqui na Noruega comprei coisas fora do país algumas vezes. Quase nunca vale a pena, pois o preço local é quase sempre o mesmo do preço pago no exterior acrescido do imposto (que aqui é VAT, e quase tudo tem imposto de importação zerado). Mas às vezes é mais fácil comprar fora do que aqui, pois nem sempre sei onde achar determinado produto ou o frete às vezes é caro, mesmo sendo doméstico.

Mas semana passada me espantou: pedi algo pela internet, e demorou um pouquinho mais do que o habitual. Já recebi produto da Amazon aqui em 3 dias. Esse produto demorou 15 dias, mas considerando que pedi após o natal, e considerando os problemas climáticos dos EUA, até que dou o desconto.

O que me impressionou, porém, foi a eficiência alfandegária. Ao chegar na Noruega, normalmente o produto só fica na alfândega por um dia ou menos. Dessa vez, ficou dois dias, e eu estranhei. No terceiro dia, recebo em casa uma comunicação do correio: é que o produto veio sem recibo, eles não tinham como calcular o imposto. Veio, então, um link para que eu entrasse na internet e enviasse o recibo escaneado. Isso foi 5:30 da tarde. Às 7:30 da manhã a alfândega liberou. No dia seguinte, estava à minha disposição nos correios.

Não me senti como se quisessem me punir por ter comprado fora, não me senti desestimulado a fazê-lo, pelo contrário. Comprar pelo correio no Brasil é sempre duvidoso: a gente não sabe se recebe, não sabe quanto tempo a alfândega vai demorar, não sabe qual critério tributário vão aplicar…

O VAT aqui pra produtos eletrônicos é de 25%. Economizei em relação a ter comprado aqui. Vejo que, na Noruega, não fazem eles tanta questão de proteger uma indústria de mão-de-obra barata. Funciona em um país de menos de 5 milhões de habitantes. Funcionaria no Brasil?

FireStats icon Produzido pelo FireStats