Jon Bing

| 1 Comentário

“A propósito, no final do corredor tem uma máquina de café e o preço é só duas coroas!”, disse Jon Bing no intervalo de sua primeira aula para nossa turma. Era setembro de 2011, e foi nesse instante que percebi que se tratava de alguém diferente. Não é todo dia que uma personalidade reconhecida internacionalmente tem a preocupação de dar uma dica tão mundana a seus alunos, muitos dos quais vindos de países pobres, e, como eu, então recém-chegados e assustados com os preços nesse país, onde um simples copo de café pode custar 30 coroas (cerca de R$12,00).

Naquele mês, finalmente conhecemos a figura de que tanto ouvimos falar ao nos candidatar a uma vaga no mestrado de direito da tecnologia da informação da Universidade de Oslo.

Há muito escrito sobre Jon Bing, e na Wikipedia pode-se saber mais um pouco sobre seus feitos acadêmicos e literários. Sua mente brilhante e sua rica cultura eram impressionantes, mas seu carisma era igualmente enorme. Jon não era o típico professor de Direito, apesar de nunca tê-lo visto sem gravata. Era um professor de Direito que gostava de elefantes. Que escrevia ficção científica e que convidava alunos e ex-alunos para sua residência, em um bairro longe de ser dos mais chiques de Oslo, uma vez por mês, para um jantar informal. Nessas ocasiões, e em outras, Jon falava com todo mundo, demonstrava legítimo interesse em conhecer seus convidados, de onde vinham, o que achavam do seu país, e se queriam um pouco mais de vinho.

Dois meses atrás, teve a generosidade de me dizer que sentiu orgulho ao ver meu artigo publicado, e dias depois, disse-me ter ouvido alguém falar bem do referido artigo. Típico Jon, que inspirou diversas carreiras e sempre demonstrou cuidado com seus alunos.

Já desde o início, em 2011 me impressionava seu amor ao seu ofício, vindo dar aulas em circunstâncias nas quais eu, tendo passado por similar situação, não sairia de casa.

Sua presença era tão respeitosa que eu jamais consegui chamá-lo apenas de ‘Jon’. A língua norueguesa contemporânea não possui mais certas formalidades como a nossa, e normalmente as pessoas se tratam apenas pelo prenome, ou por “você”, algo que sempre me causou dificuldade ao lidar com ele. Acabei sempre o chamando de “Professor”.

Descanse em paz, caro professor. Fico devendo a moqueca que combinamos fazer em sua casa em novembro, mas que adiamos porque tive que fazer uma viagem inesperada. E obrigado. Por tudo.

Matéria do jornal norueguês VG sobre a morte de Jon Bing. Tive a honra de estar em uma das várias ocasiões em que abriu sua residência para seus alunos e amigos.

Matéria do jornal norueguês VG sobre a morte de Jon Bing. Tive a honra de estar em uma das várias ocasiões em que abriu sua residência para seus alunos e amigos.

FireStats icon Produzido pelo FireStats