Mudando de vida

| 1 Comentário

Uma pergunta que sempre quando converso com alguém “de casa” me é feita: “Sim, mas esse mestrado seu vai servir pra que depois?”.

A resposta para essa pergunta nunca me foi muito importante, porque, afinal de contas, se fosse para orientar minha vida para algum resultado, seria pra casar com a Julianna Margulies… 🙂

Naaaa, falando sério: a experiência que estou vivendo é tão rica que bastaria em si mesma. Imagino que, acabado o mestrado, voltando ao Brasil, ainda que fazendo a mesma coisa de sempre, terei vivido algo fantástico.

Quase tudo aqui superou as minhas expectativas. As pessoas foram incrivelmente generosas. Alguns estudantes da faculdade se ofereceram como voluntários para orientarem e ajudarem os neófitos a conhecerem mais sobre Oslo e sobre a Universidade. E fizeram isso de uma forma tão bacana que todos nos sentimos imensamente bem-vindos.

A minha turma do mestrado é composta de gente fantástica, da Alemanha, Bulgária, Ucrânia, Turquia, Uzbequistão, Eritréia, Uganda, Estados Unidos, Indonésia, Suécia, Noruega, Lituânia, Taiwan… Os professores são muito bacanas, sendo que um deles foi um dos pioneiros, mundialmente falando, a pesquisar a área de Direito da Informática – pasmem – em 1970.

Assistir às aulas, pela primeira vez na vida, me é prazeroso. pois sempre estudei o tema, ainda que sem querer, pois sempre gostei dos conceitos de telecomunicações e de informática.

Enfim, eu não sou a pessoa mais altruísta do mundo. Caralho, nem sei se sou altruísta. Mas sei que muitos amigos meus lamentam um tiquinho o fato de que eu me afastei de uma carreira relativamente (e bota relativamente nisso) encaminhada como advogado, com já bastante experiência acumulada, para tentar algo completamente novo e incerto. Larguei todos os confortos de uma vida cercada por minha família, por amigos e amigas maravilhosos, com uma renda que, se não era nada de enorme, dava pra comer sushi de vez em quando, com meu carrinho lindo, para, agora, fazer minha comida, pegar busão, e estudar feito um louco. A saudade bate de vez em quando, mas não me arrependo nem por um segundo, nem olho para trás. Estou amando isso aqui. E, como diz uma música que sempre gostei desde o tempo da faculdade, “já tive carro e grana, e um montes de convite pra qualquer lugar. Hoje eu só ando a pé, mas eu continuo a andar…”.

Estádio de Bislett

P.S. – Tenho mantido contato com quase todo mundo de uma forma tão fácil que nem parece que viajei. VoIP o tempo todo (até número em Salvador eu tenho), Facetime, Skype, etc… E, no meu celular, é mais barato ligar para um fixo no Brasil do que se aí estivesse… Enfim…

Autor: oculos

the guy that owns this thing... :D

FireStats icon Produzido pelo FireStats