Eleições – meu balanço

| 0 comentários

Eu já disse que política é algo que não me encanta mais. Acredito em gente séria e ponto final.

Mas duas coisas me chamaram a atenção: uma, as generalizações. Amigo meu, que vota em Serra, disse que alguém que vota em Dilma fechou a cara pra ele no trânsito. Ele posta o episódio no Twitter, e coloca o tag #coisadopt. Cito apenas um exemplo, mas expressões como “petralhas” são comuns, ou de dizer que algo é coisa do PT. Sinceramente, acho a generalização ruim, embora a entendo como ato de campanha. É ruim, porque alguns dos meus maiores amigos, um deles quase irmão, era fã incondicional de ACM. Se não fosse protestante, acho que acenderia vela pra ele (desculpe meeeeeeeuuu… hehehehe). No entanto, nunca tive coragem de chamar “carlistas” de “ladrões”, porque sempre na cabeça vinha a imagem desse meu amigo, e de outros. Assim como conheço várias outras pessoas que migraram de um partido pra outro, por várias razões: desilusões, oportunismo, mudança de opinião filosófica, etc. Por isso, embora protestante, nunca ridicularizei alguém por professar fé diferente da minha, e nem me refiro a católicos com expressões ruins (que não vou usar nem para exemplificar) por serem contra coisas que eu, protestante, não sou. Daí entendo que o processo eleitoral perde muito com essas coisas.

É como se as pessoas fossem ingênuas a ponto de  achar que é política de partido jogar uma bola de papel (ou de boliche) na cabeça de alguém. Ou que Serra mandou jogar bexiga com água na Dilma. Onde há o ser humano, há o imprevisível.

Me espanta a mídia cobrar tanto propostas dos candidatos, quando o JN, talvez o programa com maior audiência, faça perguntas do tipo “O Ciro Gomes disse isso – a senhora concorda?”, ou “O senhor conhece o Paulo Preto?”. Enfim, a hipocrisia é grande porque a mídia sabe que proposta não dá audiência nem voto. Audiência e voto se conseguem por factóides, por fofoca e por escândalos. Essa é a dura realidade. Ou você viu algum candidato dizer qual o tamanho do orçamento pro ano que vem e o que pretendem fazer?

A outra coisa uqe me chamou a atenção foi o oportunismo de Serra e as perigosas conseqüências de uma vitória (ao que parece, implausível agora) dele. Eu até simpatizava com o candidato, confesso. Mas quando prometeu salário de R$600,00, vi que tinha alguma coisa errada. Quando o tema do aborto virou de repente ponto de honra nacional, acendeu a luz amarela. Mas quando prometeu, assim, vetar a lei que pune a homofobia – coisa que ninguém teria coragem de dizer, assim, com todas as letras, me surpreendi com o oportunismo do candidato. Se não for oportunismo, é mais perigoso ainda, porque implica um conservadorismo que vai na contramão do mundo.

Mas o problema é maior: ao fim dessas eleições, seremos católicosxprotestantes, heteroxhomossexuais, abortistasxnão-abortistas, a-favor-da-vidaxcarniceiros, bonzinhosxmauzinhos. É esse o Brasil que sai das eleições.

Curiosamente, quando o Brasil mais cresce, mais é o nosso retrocesso.

P.S. – Nunca fui exatamente orgulhoso de ser protestante – as lideranças protestantes nunca falaram por mim, e acho que dizem muita porcaria. Só ainda me declaro protestante devido à minha identidade com o ponto de vista da fé evangélica – se bem que, com tanta adulteração da doutrina, nem sei se hoje eu seria considerado protestante. Mas confesso que nunca me orgulhei tanto de não ser católico, apesar de admirar bastante a maioria do seu clero, a beleza dos seus rituais e a fé dos que, em um mundo de descrença, continuam a buscar a espiritualidade nas catedrais e igrejas, e a procurarem ser pessoas melhores ali. Mas quando o líder maior da igreja arrisca vir a público meter o bedelho em um assunto soberadno de estado laico, é o tipo de pretexto que cria para dividir um povo. E isso não tem perdão.

Autor: oculos

the guy that owns this thing... :D

FireStats icon Produzido pelo FireStats