Mini review do P910

| 9 Comentários

Nunca fiz um review na minha vida. Mas um pedido da Bia(linda, fofa e maravilhosa) não se nega. Então lá vai.

Comprei um celular, como já disse, da Sonyericsson, e que atende pelo nome de P910. É um smartphone, isto é, é um telefone que oferece a possibilidade de se instalar programas nele – ou seja, um misto de celular e computador. Roda o sistema Symbian, na sua versão UIQ. Pelo que entendi nas explicações da Bia e da própria web, os aparelhos UIQ tem como diferencial da Serie 60 (outra incorporação da Symbian, comum nos Nokia) o fato de que a interface tem múltiplos modos de se entrar os dados e frequentemente requerer o uso das duas mãos. Mas falarei disso mais adiante.

O celular é meio grandinho. Cabe no bolso da calça jeans, mas vai levantar suspeitas do tipo “isso é o seu P910 ou você está feliz em me ver?”… 😉 É super chato ter que usar celular na cintura, detesto, mas terei que fazê-lo, pois não gosto de usar terno e gravata o tempo todo (é bom lembrar que esse celular foi feito pra quem usa terno e gravata – cabe direitim no bolso do paletó…). Sim, isso é subjetivo, mas o review é meu…. 😀 Enfim, o aparelho é grande demais para um celular, e pequeno demais para um palmtop. A combinação acaba sendo quase perfeita se a pessoa realmente precisa de um palmtop ou usa o aparelho muito para se conectar à internet. Pra mim isso é importante – como viajo muito de busão, adoro usar o msn enquanto viajo, ou enquanto espero uma audiência. Nesse aspecto, o aparelho não poderia ser melhor.

Ele tem um flip removível, que, tirado, faz com que o celular fique muito mais bonito. Porém, sem o flip, você acaba precisando das duas mãos para operar o bicho, pois muitas das funções requer o uso da Stylus (canetinha que acompanha o aparelho, e que serve para clicar na tela da bagaça). Como presume-se que o uso do aparelho seja, na maior parte, para fazer e receber ligações, acaba-se querendo usar o bicho com o flip.

O aparelho tem uma máquina fotográfica cuja resolução máxima é padrão VGA. Faz filminhos, e tal.

O aparelho vem com 64mb de memória interna, mas aceita memory stick – vem com uma de 32kb. Já instalei uma porrada de aplicativos, mas a maioria é shareware… 🙁 A versão do Opera dele é mais velha do que as que acompanham os Nokia, mas acessa o Gmail tranquilamente.

Os aplicativos pra ele são fantásticos – testei o Agile Messenger e o IM+, ambos para trocar mensagens, e são maravilhosos. É quase como usar o MSN no próprio computador. Aliás, taí a grande vantagem da série UIQ. Se, por um lado, requer duas mãos para coisas simples (quando se abre ou se tira o flip), por outro torna-se muito confortável escrever no aparelho. Pode-se escrever de quatro (!) modos: com o flip fechado, usando-se o teclado numérico (igual a qualquer celular). Com o flip aberto, escreve-se ou com o teclado QWERTY que vem atrás do flip (que achei pequenino demais para escrever, mas quebra o galho), com um tecladinho virtual que aparece na tela do bicho ou escrevendo-se com o alfabeto JOT (é isso?), que lembra o grafiti do Palm. Aliás, pra mim, nada substitui o grafiti. Eu acho que escrevia mais rápido com o grafiti do que com a caneta. Mas funciona. Finalmente pra mim o MSN tornou-se usável a partir de um dispositivo móvel. Acho que não se pode melhorar – chegaram quase à perfeição.

A sincronização dele com o Mac é fantástica – transfere inclusive as fotos do Address Book associadas aos contatos. A Apple criou um conduit próprio que é instalado no celular para fazer a sincronização, dispensando o que vem de fábrica. E fez um ótimo trabalho. Para quem usa PC, pode-se sincronizar tanto via bluetooth (única opção que funciona no Mac) quanto por cabo USB, inclusive já vindo com uma base maneira para colocar o celular.

Um amigo que usa ele com um PC consegue inclusive compartilhar a sua conexão da internet via bluetooth, para evitar o GPRS, que, por sinal, funciona muito bem. Não consegui fazer o mesmo com o Mac…

Como celular, o aparelho não decepciona. O sinal é fortíssimo – no meu quarto, nenhum celular funcionava direito – nem Nokia, nem Siemens e nem o T610 da SonyEricsson. Ele tem o sinal fortíssimo aqui dentro, o que me faz ficar preocupado com aquela coisa próxima ao meu aparelho reprodutor – será que meus “nadadores” vão ser influenciados pela radiação? Preciso casar e fazer filhos, sacumé…

Acho a tela dele boazinha. Poderia ter mais cores, é verdade. O contraste pra mim é bom.

Bom, vou fazer agora o que adoro em outros reviews: listar os pontos positivos e negativos:

Pontos positivos da bagaça:

– excelente qualidade de som e sinal
– ótimos recursos multimídia (puxa, alguns toques do T610, como o do recebimento de mensagens, fazem falta)
– ótimos aplicativos
– excelente para entrar dados
– excelente como palmtop

Pontos negativos:

– não tem perfis (pode-se criar um com um programa chamado Magic Profile) – isso me faz falta
– não permite editar um número antes de chamá-lo (horrível)
– é necessário ajustar cada SMS enviado para que se tenha relatório de entrega (no T610 pode-se colocar para que todas as mensagens enviadas sejam acompanhadas por relatório de entrega)
– grande como celular

Enfim, meu grande dilema é: teria eu feito melhor compra se tivesse escolhido o Nokia 6600? Sim e não. Sim, o da Nokia, como celular, é mais prático. E tenho amigos que tem ele (como o Xico que adoram seus Nokias. Mas eu sinceramente acho que, como Smartphone, o UIQ é que torna tudo muito mais utilizável. Fica fácil escrever num celular assim. E eu mando muitas mensagens de texto (Oh, céus, por que a Oi não tem pacotes melhores que incluem SMS, além daquele Oi Pra Mim?). O tamanho da tela é excelente para se escrever coisas.

Estou feliz com o danado, embora seja difícil carregá-lo discretamente, a não ser quando uso paletó. Presumo eu que minhas viagens ficarão muito melhores com ele.

Se tiverem alguma pergunta, ficarei feliz em responder. Seguem fotos do infeliz…




Autor: oculos

the guy that owns this thing... :D

FireStats icon Produzido pelo FireStats